No Mamada ou Cagada deste mês de Março, debatemos sobre o caso de uma mãe que teve que se vestir de homem para participar de um evento na escola do seu filho, sobre um novo brinquedo da Mattel, sobre a Bela e a Fera e, como não podia faltar, um pouco sobre tecnologia.


Comentado neste programa:

  • Mãe solteira desenha barba e se veste de pai para participar de evento na escola do filho
    • O relato de uma mãe solteira, do Utah, nos Estados Unidos, vem comovendo a internet ao contar os desafios de educar um filho sozinha. No seu Facebook, Whitney Kittrell compartilhou uma foto em que aparece vestida de homem junto do filho e um texto, onde explica ter se vestido daquela forma para poder participar de um evento exclusivo para pais, chamados “Dads and Doughnuts / Pais e Donuts”. “Quando meu filho, que estuda no jardim de infância, chegou em casa com um papel dizendo que haveria um dia de “Dads and Doughnuts” meu coração ficou doente”, escreveu. Decidida a participar do evento, Whitney conta que escolheu a “melhor roupa de pai” e desenhou uma barba no rosto. Apesar de envergonhada, ela conta que a reação do filho valeu todo o esforço. “Quando eu saí da escola, ele correu, segurou no meu pescoço e sussurou ‘Mãe, eu sei que você sempre vai estar por aqui e vai fazer qualquer coisa por mim. Obrigada, eu te amo’, e beijou minha bochecha e correu de volta.
  • Mattel anuncia lançamento de barbie da Mulher Maravilha
    • Para comemorar o lançamento do filme Mulher Maravilha, a Mattel anunciou que vai lançar a barbie da personagem. Com escudo, espada e roupa idêntica da personagem, a boneca está prestes a ser lançada nos Estados Unidos por cerca de US$ 20. No Brasil, a Mattel informou que a boneca será vendida apenas em abril por impressionantes R$ 299,99. As bonecas serão lançadas como barbie colecionável. Dirigido por Patty Jenkins, o filme Mulher Maravilha deve estrear nos cinemas no dia 1º de junho.
  • Uso de eletrônicos em excesso atrasa desenvolvimento infantil, diz Unicamp
    • Um estudo da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, em Campinas (SP), concluiu que as crianças que usam aparelhos eletrônicos sem controle e não brincam, ou brincam pouco, no “mundo real” podem ter atraso no desenvolvimento. A pesquisa foi realizada com meninos e meninas de 8 a 12 anos de idade, que ficam de quatro a seis horas diante das telas de computadores, tablets, celulares e videogames. Para a pedagoga Ana Lúcia Pinto de Camargo Meneghel, que desenvolveu o estudo na FE durante o mestrado na linha de psicologia da educação, as crianças que se enquadram neste perfil acabam não brincando e nem tendo uma rotina, o que afeta no ritmo de construção do desenvolvimento cognitivo. Ao todo, 21 meninos e meninas de uma escola particular na região de Campinas (SP) passaram por testes para avaliar as capacidades que eles precisam ter para, inclusive, aprender bem o conteúdo ensinado na escola. Para a surpresa da pesquisadora, de todas as crianças, apenas uma mostrou as habilidades esperadas para essa faixa. “Apenas uma criança, de 12 anos, tinha construído as noções lógico-elementares, que seriam as noções matemáticas e a noção de espaço”, afirma a pesquisadora da Unicamp.
  • Emma Watson diz que hesitou em interpretar Bela por causa da ‘Síndrome de Estocolmo’
    • Emma Watson confessou que hesitou em interpretar Bela no live-action A Bela e a Fera pela possibilidade de a famosa história de amor se enquadrar, na verdade, na Síndrome de Estocolmo, estado psicológico em que uma pessoa, submetida a um tempo de intimidação e cativeiro, passa a se apegar ao sequestrador. “Foi algo que eu realmente me preocupei desde o começo: a questão de uma possível Síndrome de Estocolmo nesta história”, disse. “Mas, na verdade, Bela efetivamente discorda e bate de frente com a Fera constantemente. Ela não tem nenhuma característica de alguém que sofre desta síndrome porque ela continua independente, continua com suas convicções e livre pensamento”, rebateu. No desenho da Disney lançado em 1991, Bela aceita ser prisioneira de Fera para libertar o seu pai, que está doente. Watson argumenta que, além do ato altruísta, ela continua tentando escapar e apenas se apaixona pela Fera após ele demonstrar que havia mudado. O filme estreia nos cinemas no próximo 16 de março.

Para Casa:


Músicas do episódio:

  • This is not a Rock Song – Monplaisir
  • Mínimo 5 – Rafael Cabral

Fale conosco:


Concorda com a gente? Discorda?
Comenta aí!

Anúncios