Beatriz Martini Bedran, ou simplesmente Bia Bedran, é arte educadora, especializada em musicoterapia, é autora de dezesseis livros e mais de trezentas canções, foi apresentadora do programa “Canta Conto” e do “Lá Vem História”, no qual contou histórias com auxílio de instrumentos musicais diversos. Confira um pouco do que ela nos disse na entrevista que concedeu ao Entre Fraldas.

A essência da criança é o imaginário, não o celular ou tablet.

 

Entre Fraldas: Existe diferença entre a criança dos anos oitenta e a de agora?

Bia Bedran: Nem tanto assim que criança é tudo igual, eu bato na tecla: a essência da infância é a mesma. A criança precisa de ludicidade, de poesia de acolhimento, de afeto. A criança quer pegar a mão e brincar, quer pegar corda e pular, quer dançar, quer entoar melodias, fazer uma roda de ciranda. Mas, se você só dá a ela um game, na mesa do almoço, entrega um tablet, um joguinho, aí a criança não está envolvida por esse encontro e não está sendo trabalhada em sua essência.

A imaginação é a maior potência do ser humano.

Bia Bedran: É preciso trabalhar no que ela necessita: o imaginário. Muita gente fala que o joguinho trabalha a imaginação e a inteligência, eu falo que é até a página três. O que trabalha o livro inteiro, é o encontro, é a imaginação, é o poder de pegar uma borracha e visualizar ali gato que corre atrás do lápis, que é o rato, é isso que a criança precisa, um imaginário poderoso, pois a imaginação é a maior potência do ser humano.

Quer saber o que mais a Bia falou? Então confira a entrevista completa:

Anúncios